JAGUARÃO
Cidade Heróica


Jaguarão, 11 de outubro de 1999.

Mas que tal, compadre Alessandro Feijó?
Como vão as cousas aí na poderosa SIAL/Suply?

Fico na chuleada que tudo bem, pois preciso que segures as pontas pelaí enquanto eu vou tropeando por este estado afora ( ou adentro?).

Bom, desta feita, larguei de mão o feriado e me vim a trabalho aqui pra essa beleza de cidade, Jaguarão! E olha, entreverado no meio de um feriado, cheguei aqui de manhãzita e me vou somente lá pelas 24 horas, num ônibus da Frederes.

A viagem de vinda foi buena e eu, matungo já marcado de outras viagens, sempre trago uma manta pra me cobrir, por que o frio de ranguear cusco pega os "animar" despreparados. De tal formas que me vim frouxo na parada, coberto numa buena duma manta.

Cheguei na estação rodoviária e logo vi que estava noutro mundo. Aqui os bancos da rodoviária, que são poucos, é verdade, são todos acolchoados, ao contrário de 90% das cidades que... bah...

Entonces, cheguei as 06:00 da matina, estudei uns livros que trouxe pra ver se consigo garantir meu futuro, e lá pelas 7 da matina fui ver a cidade despertar.


A cidade despertando...

Oigalê, que cousa mais linda.

Um passo pra frente já tava na praça principal.
Um dia bagual e ensolarado vinha se chegando devagarzito.

A primeira coisa que percebi é que esta é uma cidade buenaça pra se morar.

É verdade que o negócio dela é comércio de fronteira. Agora, por exemplo, os comerciantes estão felizes feito "lambari novo em sanga": o dólar tá alto e os castelhanos - uruguaios - vem gastar seus pilas pelaqui.


Rio Jaguarão

Mais um tanto de caminhada e cheguei na beira do rio Jaguarão.

A la fresca, seo!

Que visão magnífica. Não é a toa que existem tantas e tantas músicas falando dele. O rio não tem barrancas: é ali, 5 metros da calçada, é largo, e tem uma ponte lindaça que leva do lado brasileiro pro uruguaio.

A ponte tem duas torres, uma de cada lado das margens, e é uma construção de deixar os olhos hipnotizados de tanta beleza.

A la putcha! Exclamo novamente, por que é bonita mesmo.

Bom, me deixa limpar a baba e bamo adiante.

Esta ponte foi construída em 1930 e, portanto, deve completar uns 70 anos agora no dia 30/12. Mas e que tal, hein?! Obra bem boa essa!


Circulando

Voltando...

Me larguei a passear pela cidade nesse meio de feriadão, pois que amanhã é 3a-feira e feriado no Brasilis, mas no Uruguay é hoje mesmo, 2a-feira.

Fui olhando pras casas e vendo como são antigas... e muy bem conservadas!

Ohhhhhhhh..........

Sim, sim, surpresa, por que quem já andou por Pelotas e viu aquela pujância atirada ao mato, vem aqui e se surpreende com a manutenção. O dia que a Globo quiser fazer filmagens de novela, aqui é o lugar certo.

A rua 27 de janeiro, que foi quando o Cel Manoel Pereiras vargas, segurou a indiada castelhana, é bonita, limpa, larga, mão dupla com canteiros no meio.

Mas toda a cidade, no amplo passeio que fiz de uma hora, furungando cada canto, é limpa e bonita. Já está se candidatando a ser minha morada de aposentadoria daqui a 150 anos! Sim, por que até lá e com toda tecnologia, ainda tenho muito que fazer.

As casas aqui tem um aquele estilo de certa época, em que as calçadas são pequenas; as casas, do mesmo tipo, retas na frente, e com frescuras e enfeites no topo; neste topo, em geral, tem alguma estátua ou afrescos.

A única coisa de ruim que aconteceu foi que não trouxe a câmera fotográfica, e não me conformo com isso, pq a cidade é muito bonita. Sorte minha que a esposa do oficial de registro de imóveis da cidade, dona Marilu Duarte, fez uma memorável obra que são os cartões postais de Jaguarão. Nem mesmo Rio Pardo tem cartões-postais dignos de se enviar, e aqui encontrei mais de duas dúzias de fotografias artísticas feita por ela e transformadas em postais. Um baaaita parabéns e muito obrigado pra essa guria!


O lado uruguaio

Bom, lá pelo meio-dia compadre Mauro Alves Croucillo Junior me deu uma carona e levou-me a conhecer a cidade de Rio Branco, que é a cidade-irmã de Jaguarão, mas que fica do outro lado da ponte, em território uruguaio.

Bah, que decepção seo!

Hehehehe, parece uma cidade fantasma, com duas quadras, uma rua e mais nada. Mas que tristeza... Depois de ver Artigas, Rivera e até mesmo Libres, achei que aqui ia ser outra cidade cuiuda barbaridade. Qual quê!

A única coisa que vi de interessante foram facas de ouro e prata a uns 200 mangos.

Afora os ponchos forrados, que o castija tentou me empurrar por R$ 340, depois baixou pra R$ 300, mas ainda assim achei que era marretaço!

Uma coisa que chama a atenção é que existe uma penca de banco virados pro lado do rio, como se o pessoal se juntasse nalguma hora para admirar o rio.

E o horário deles segue o hábito: vão trabalhando até as 20 horas da noite.

Volvemos ao lado brasileiro, não sem antes perceber que os castelhanos da aduana ficam armados e parecem uns cachorrões. Metem medo.

A avenida Uruguai é a que conduz para a ponte e no meio dela ainda tem trilhos que levavam e traziam a locomotiva pro outro lado da fronteira e pra cá. Parece que está 1/2 desativada, e como os dois lados são responsáveis pela manutenção das cousas, hehehehe.. vai demorar pra se ver novamente o tchunc-tchunc das rodas do trem de ferro.

Quando se está quase entrando na ponte para ir ao Uruguai, se olhar pras direita, pode-se ver o Presídio Municipal, um prédio bem-feito, mas de estilo antigo, o que o deixa bonito e imponente, ali na beira do rio.

O pessoal aqui costuma muito transportar areia dos areões que tem mais adiante no rio e trazer pra vender via barco. Os barquitos vem quase com água entrando, de tanto que os ditos carregam areia.


Matando a fome

Voltando pra cá, se bandeamo pra almoçar na churrascaria do Rafa, na av. Júlio de Castilhos. Hola, que piada, meu amigo.

Animal esfomeado, me joguei sobre o excelente buffet (hehehe, mas que nome mais fresco esse, mas pegou, pegou!) e pesei o prato em 600 gramas. Paguei, sabe quanto? DOIS PILAS.

Pois agora vê se pode? pagar cozinheira, eletricidade, água, gás, garçon, pratos, guardanapo, imposto, lucro e o escambau e cobrar R$ 2,00? Mas bah! Inacreditável.

E comida boa!

O único problema era o feriado uruguaio, que lotou o estabelecimento com a gringada, que são gente buena, mas de tropa tomaram conta do local e não se tinha nem onde sentar.

De tardezita arrisquei uma caminhada lá pro outro lado novamente, por que me gusta ouvir os castelhanos falando e também ver seus costumes.


Poético entardecer

Já eram umas 20 horas quando vinha voltando e me parei sobre a ponte. O tempo já tinha mudado, e um vento danado de forte tentava arriar o compadre aqui, mas sou valente e não me dobro pra qualquer brisa michuruca. Mas que tava brabo o animal, ah, isso tava. E lá longe, numa cena de fronteira inesquecível, o sol. bola de fogo, morrendo no horizonte, e a cidade de Jaguarão se apreparando para a noite, se quedando na escuridão e eu...

E eu ali, no meio da ponte, vento haragano, bem no meio da fronteira, olhando pra Jaguarão, se ajeitando pra mais uma noite.

Le confesso vivente, que um pingo caiu das minhas vistas. Mas claro, lágrima não era, que bagual macho não chora; isso devia ser algum respingo do rio lá embaixo, querendo me chamar a atenção.

Fiz um lanche ali na Confeitaria São José, coisa boa de se lanchar, e já umas 21 horas, me larguei pra rua novamente.


Cidade do interior é outra coisa!

OPA!!!!!!!!!

Que surpresa tchê!

Uma gurizada espalhada pela praça. Um grupo de 10 gurias adolescentes num banco, noutro uns guris tomando mate, e essa molecada toda adolescente espraiada sem medo algum de violência ou coisa e tal.

Ah, cidade do interior ainda se aproveita a vida, hein?!

Cabe salientar que quase não vi casas com grades aqui pela cidade.

Outra cousa: tem muita, mas muitas mulher bonita por aqui. Não me pergunte por que, cheguei hoje, mas esses olhos aqui de gavião não deixam escapar nada e... bah, parabéns aos pais, por que essas gurias tão saindo que são umas misses.

Entonces, num tranquito sereno me fui indo pra casa do meu anfitrião, seo Mauro. Antes de chegar lá, cruzei a praça e vi a homenagem da cidade ao Coronel Manoel Pereira Vargas, um baita monumento na praça, completamente iluminado com quatro holofotes.

Sabe o que é isso?
Na maioria das cidades, as lampadas estariam quebradas, se existissem!

Pois chegando na casa do patrão, tamo ali mateando e cousa e tal, aguardando o horário do ônibus, quando um bando de cinco tauras inicia uma tertúlia bem animada. Uma guria mui gentil me atendendo e fazendo sala, a dona Anália!


Pois olha só, seo!

Vou me chegando e dali a pouco seo Mauro arranca das mãos de um deles a pasta com a letra e cifras das músicas. E olha só: impresso da internet, Página do Gaúcho. Mas hein?!

E entonces sou apresentado à indiada. Decerto ficaram meio decepcionados de verem que não sou vestido feito o Xiru Misisoneiro, nem tenho 70 anos.

Entonces, um deles, pra mostrar que não sou grande coisa me diz:

"- Mas diz que tem um outro site, bem maior que a Página do Gaúcho, que é o do Roberto Cohen. Essa sim, entramos todo o dia!"

Hehehehe... bueno, daí a indiada descobriu quem era o macanudo que fazia, e aí não teve mais volta e tiveram que pedir a benção!

Um sorriso largo se abriu num deles quando soube que eu era o Roberto Cohen e entonces não enjeitei a parada (não se negar a nada) e larguei um discurso de 40 minutos explicando como era feita a Página, quem eram os visitantes, e quase fiz uma milonga.

Final das contas: eu fiquei ainda mais feliz que eles por ter visto que meu trabalho não tem sido em vão de divulgar a cultura gaúcha por estes quatro cantos (e como é que a terra, que é redonda, pode ter cantos?) do mundão.

Olha o nome dos chirus com quem tive o privilégio de compartilhar um tanto da minha vida nesta noite de segunda-feira:

E quem é que disse que essa gurizada só vê net e toca Sampa Crio? tava lá, essa gurizada dos 13 até 18 dá-lhe-que-te-dá-lhe som gaudério!

E por fim, adivinha que dia Jaguarão faz aniversário? 23 de novembro!

Junto comigo, ora essa, que coisa hein?!

Valeu Jaguarão, daqui a uns dias tu podes escrever, tou voltando aí!

Baita abraço Alessandro e amigos!

Cordialmente

Cohen
o Espora*

OLHA OLHA os postais de Jaguarão!

*indíviduo que em tudo se intromete
:-)

PS: Toma nota aí:
www.paginadogaucho.com.br



Esta daqui macanuda em fotos >> www.fotonadia.art.br/exp_virt.htm