Você está aqui

Por que o avestruz choca os ovos



Fonte
Livro "Estórias e lendas do Rio Grande do Sul", cuja seleção e organização coube a Barbosa Lessa e que faz parte da coleção "Antologia ilustrada do folclore brasileiro". Gráfica e Editora EDIGRAF Ltda. 1963.

Comentário de Barbosa Lessa: Afonso Schmidt, baseado em Ciro Dutra Ferreira, Ivo Sanguinetti, J. C. Paixão Côrtes e Luis Carlos Barbosa Lessa, do Centro de Tradições Gaúchas, em "Lendas Brasileiras", Livraria Pluma, Porto Alegre.

No tempo em que somente os bichos povoavam a terra, as funções que hoje são desempenhadas pelos homens eram desempenhadas pelos bichos. O Jaguar, por ser muito valente, era delegado de polícia; o Quero-quero era sentinela, o João-de-Barro era construtor de casas e assim por diante. O Avestruz, por ter as pernas compridas e ser muito rápido, era carteiro. Sim, carteiro. Lá ia êle, de ranchinho em ranchinho, levando cartas.

Certa ocasião, a mulher do Avestruz estava chocando ovos, dos quais nasceriam uns avestruzinhos muito bonitinhos. Mas a mulher do Avestruz adoeceu.

Então, o marido foi à venda do Capincho, buscar remédio para a mulher que não podia sair de casa, pois precisava estar chocando os ovos.

Na venda, que era um ambiente de gente meio vagabunda, estavam festejando a chegada de um Tangará muito cantador, tocador de viola, que tinha vindo de Cima da Serra.

A festa se animou quando o Tangará começou a trovar em desafio com o Anu, que era também muito cantador. O Avestruz - que tinha ido lá somente para buscar o remédio para a mulher - começou a se entusiasmar com a festa, bebeu cachaça, se embebedou, só acordou no dia seguinte, quando o sol já estava alto.

Só então se lembrou da mulher. Comprou o remédio e voltou depressa, o quanto a perna dava.

Mas quando chegou a casa a mulher tinha morrido. Louco de remorso, o Avestruz pôs-se sôbre os ovos para terminar de chocá-los. Um tempo depois, nasceram os filhotes, mas piando muito tristes, porque não tinham mãe, eram guaxos.

E desde aí - para que se lembrem dos deveres de família - os avestruzes passaram a chocar os ovos, isto é, o macho é que choca e não a fêmea. É a mesma coisa que se, num galinheiro, o galo fôsse para o chôco e a galinha ficasse cantando: co-co-ro-có.