Você está aqui

Bolinha de vidro, gude, inhaca e pião



Fonte
Livro "Brincadeiras Infantis", autoria de Paula Simon Ribeiro e Rogério Fossari Sanchotene. Martins Livreiro Editor. 2004.

Bolinha de vidro, gude, inhaque


Ilustração de Augusto Bier

As bolinhas de gude, de inhaque, unhas ou bolitas, são o jogo por excelência dos guris de qualquer idade.

Surgem geralmente depois das chuvas, quando os campinhos estão molhados e a meninada tem que brincar perto de casa. Diversas modalidades de jogo são praticadas, entre elas o Boco ou Imba, o Triângulo, a Circunferência, etc, que podem ser "as vera" ou "as brinca". "As vera" quando o jogador perde também suas bolitas, e "as brinca", quando perde só o jogo, oeste caso feito apenas por distração.

Os jogadores, conforme combinação prévia, podem apostar uma ou mais bolinhas que depois serão escolhidas entre as de propriedade do perdedor. Muito disputadas são as "águidas", leitosas e coloridas. Ocorrem brigas quando o perdedor paga sua "dívida" com bolinhas "nicadas", ou também quando o jogador dá um impulso com a mão ao efetuar a jogada. O impulso deve ser dado apenas com o polegar.

Boco ou Imba - um pequeno buraco circular é feito no chão geralmente com o calcanhar ou com um pedaço de madeira ou pedra. O jogo pode ser feito com um ou mais bocos.

O termo boco vem do tupi Boc ou boque que quer dizer abertura ou racha pequena. Para "tirar o ponto", uma bola maior é colocada a uma distância de quatro metros aproxima damente, e quem jogar a sua bolita mais perto desta tem o direito, de iniciar a brincadeira, mas para "tirar o ponto", ninguém quer começar e quem grita em primeiro lugar "último" adquire este direito, que lhe dá a vantagem de caprichar mais na jogada, colocando-se mais perto do ponto.

Quando as distâncias não estão muito definidas, as dívidas são sanadas por medição feita em pés, ou seja, colocando o calcanhar ou salto do sapato perto da bolita em direção a ou tra. Conta-se os pés e, se a distância é menor couta-se em palmos ou dedos atravessados.

As partidas podem ser simples ou em torneios que duram 3 ou 4 dias.

No jogo do Triângulo é feito um gráfico no chão e colocadas as bolinhas sobre os vértices, e quando é maior o número de jogadores "casam" também sobre os lados. É vencedor quem consegue colocar dentro do triângulo as bolinhas dos adversários. No jogo da Circunferência o procedimento é o mesmo.

Quando o jogador está em má posição para efetuar a sua jogada, pode pedir distância, isto é, mudar-se para outro ângulo, porém conservando a distância real da verdadeira posição.

Como na maioria das brincadeiras infantis, o jogo de bolita possui uma linguagem própria, chamam de "bochão" a bola maior que as outras, "aça", as esferinhas de metal; "nicada" é a bolinha lascada, e "Nica" a favorita para o jogo; "rabar" é errar, e "casar" é colocar bolinhas em jogo.

Pião


Ilustração de Augusto Bier

O que é o que é?
Para andar se bota a corda
Para andar se tira a corda
Porque com corda não anda
Sem corda não pode andar (Do folclore)

Câmara Cascudo descreve como: "Pinhão, brinquedo de madeira piriforme, com ponta de ferro, por onde gira pelo impulso do cordão enrolado na outra extremidade puxado com violência e destreza..." "O strombos dos gregos e o turbo dos romanos é o mesmo jogo de pião das crianças de hoje, e data pelo menos da pré-história da civilização, idade micenaica ou pelágica pois figuram os "piões de argila" , primitivos na coleção de Schliemann".

É lançado com cordão na Europa, Asia Oriental e Indonésia. Na América tem origem européia, bem como a piorra, que é jogada sem "fieira", apenas com o impulso dos dedos polegar e indicador. É brincadeira que aparece em alguns meses do ano para logo após desaparecer.

Para começar o jogo não usam as fórmulas de escolha tradicionais, costumam "tirar o ponto". Fazem uma marca no chão e todos os participantes jogam o seu pião, sendo o "primo" aquele que acertar na marca.

Muito importante nesta brincadeira é a maneira de enrolar a fieira e a técnica de jogar o pião para fazê-lo girar o maior tempo possível.

Participam dois ou mais jogadores da seguinte maneira: fazem uma circunferência no chão e os piões ali são lançados, devendo rodar dentro do círculo; se saírem fora, o jogador é desclassificado; um menino lança o seu pião e logo outro é lançado contra o primeiro, com a finalidade de deslocá-lo, ou de parti-lo com o impacto; uma pequena bola de madeira é usada como alvo, sendo vencedor quem tirar mais "lascas" da mesma.

Em algumas regiões a brincadeira é conhecida como "finca", e o procedimento é semelhante: colocam um pedaço de louça no chão e o pião é arremessado, sendo o vencedor o que mais se aproximar do alvo.

O jogo do pião requer alguma habilidade, que é constantemente desenvolvida entre os meninos. Alguns fazem o pião ficar girando na palma da mão, outros sobre a unha do polegar, estabelecidas pelo grupo que são rigorosamente obedecidas, sob outros, enquanto o pião está girando, passam a fieira por baixo sem que este pare o seu giro.

Como em todas as brincadeiras infantis existem regras estabelecidas pelo grupo que são rigorosamente obedecidas, sob pena dos infratores serem expulsos do jogo. Existe também vocabulário próprio.