São Marcos

(17/02/1834)

A denominação São Marcos aparece, pela primeira vez, num documento de 1790, referente a Fazenda Souza. O rio, que é um dos limites do território, é chamado de São Marco. A mesma denominação recebe um potreiro que está na região.

O teor deste documento, a expressão "Marco" que pode ter derivado do castelhano e a presença de jesuítas espanhóis na região nos levam à hipótese de que estes teriam denominado o rio, e o rio deu o nome à região e, posteriormente, à colônia.

Através do tempo, o atual território de São Marcos foi conhecido por diferentes nomes: Sesmarias Palmeiras, Fazenda das Palmeiras dos Ilhéus ou Fazenda dos Ilhéus, Invernada da Pedra Branca ou do Morro da Canastra, Invernada do Ranchinho ou Fundos do Ranchinho, Núcleo Colonial São Marcos e Colônia São Marcos, São Marcos de Cima da Serra, Curato São Marcos, São Marcos dos Polacos, São Marcos de Caxias, até chegar definitivamente à denominação "São Marcos" a partir de sua emancipação em 9 de Outubro de 1963.

Antes de sua emancipação São Marcos pertenceu à: Santo Antônio da Patrulha, São Francisco de Cima da Serra, Taquara, e Caxias do Sul.

Os limites do município são: a Norte, Vacaria, a Sul, Caxias do Sul, a Leste, Caxias do Sul, a Oeste, Antônio Prado e Flores da Cunha. Sua área é de 263,7 km2, com altitude de 830 metros. Seu clima é temperado com frio intenso. Tem como relevo imensos derrames basálticos do Planalto Meridional com profundos vales, sendo uma região bastante acidentada ao lado Oeste enauqnto a Leste tende a suavizar com o início da zona do campo. Sua vegetação é de matas subtropicais composta por: cedros, guabijus, carvalhos brasileiros, cerejeiras do mato, guaçatunga, uvaia, canela lajeana, pitangueiras, tarumãs, araucárias, corticeiras da serra, angicos, sete sangrias, ipês amarelos, goiabeiras da serra, coqueiros, acácias, iliotis e ligustros. A hidrografia é formada pelo Rio das Antas, São Marcos, Redondo, Arroio Studulski e Arroio Timbori.

O núcleo colonial São Marcos foi fundado em 1885 por imigrantes italianos que chegaram às margens dos Rios São Marcos e das Antas (localidade de Linha Riachuelo, onde fala-se o dialeto mais antigo que existe no mundo; Linha Humaitá, Marechal Deodoro e Zambicari). Porém somente a partir de 1891 começaram a chegar os Poloneses que estabeleceram-se na localidade de Santo Stanislau / Linha Rosita, Santo Henrique e Edith). Não se pode ignorar também o grande número de nacionais (peões de fazenda, capatazes, ex-escravos, aventureiros e mesmo agricultores açorianos vindos de São Paulo) que aqui se estabeleceram. Os negros também marcaram presença na formação do povo são-marquense (concentraram-se nas localidades do Juá e Rincão dos Quilombos (este, próximo ao Rio da Mulada).

Comumente, se afirma terem os poloneses, os italianos e os lusos os primeiros habitantes de São Marcos. A tendência é ignorar ou omitir os indígenas, embora existam aspectos que facilmente se identificam com essa cultura, em algumas localidades da cidade.

Os imigrantes que vieram para São Marcos empreenderam essa viagem após meses de espera no barracão de Caxias, pois tinham esperança de receber um lote, por lá mesmo. O caminho para o núcleo São Marcos passava pelo atual município de Flores da Cunha, descia a encosta do rio São Marcos e cruzava o rio na localidade hoje denominada Capela de Santo Antônio do Zamoner. Vinham a pé, a cavalo e em cargueiros. O transporte era pago pelo governo, que distribuia lotes para os mesmos.

Não havia estradas que chegassem até o núcleo, apenas as que serviam a região do campo. A primeira estrada foi aberta em 1890, passando por Flores da Cunha para chegar até Caxias. Em 1907 iniciaram a construção da estrada que ainda hoje liga São Marcos à Flores da Cunha e Antônio Prado. Em 1916 já estavam em andamento as obras da estrada que hoje liga São Marcos `a Caxias do Sul. Somente ao final da década de 30 é que o governo do estado planeja construir a BR 116, o que foi fundamental para o desenvolvimento da cidade.

A partir de 1907 até 1917 o movimento migratório acentuou-se e em pouco tempo praticamente todos os poloneses migraram para o Vale do Alto Uruguai e do Rio do Peixe.

A economia são-marquense está fundamentada na agricultura (é o maior produtor de alho do estado, uva e hortifrutigranjeiros), indústria (metalúrgica, calçadista, moveleira, vitivinícola e fibra de vidro), comércio e serviços (neste incluído o transporte de cargas, São Marcos é a cidade brasileira que possui o maior número de caminhões per capita, conhecida como a "CAPITAL DOS CAMINHONEIROS" ) hoje com aproximadamente 20.000 habitantes.

Podemos citar como eventos que acontecem no município, dentre outros: Musimarco, Marcoarte, Rodeio Crioulo Nacional de São Marcos, Marcofest, Festa de Nossa Senhora Aparecida e dos Motoristas. Tem como pontos turísticos: Morro do Calvário, Igreja Matriz e Gruta Nossa Senhora Aparecida, Igreja São Luiz, Museu Municipal, dentre outros.

Origem: extraído de História de São Marcos, de Luiz Rizzon e Osmar Possamai e contribuição da Prefeitura de São Marcos, gentileza de Bernardete Angela Manosso

Editado por Roberto Cohen em 20/11/2003.