Farroupilha

(29/12/1934)

A primeira casa gaúcha dos italianos

A colonização italiana no Rio Grande do Sul nasceu em Nova Milano, distrito de Farroupilha. Em maio de 1875, um barracão que abrigava os primeiros imigrantes era a única visão de lar que trevisanos e vicentinos recém-chegados na América podiam contemplar. O resto era terra selvagem. Partindo daquele ponto perdido no mapa da Província, os colonos fundaram Caxias do Sul e povoaram toda a Serra. Mesmo sendo a ante-sala da imigração, Farroupilha não foi ocupado de imediato pela primeira leva de italianos. Assim que chegaram, quase todas as 110 famílias foram transferidas de local. "O dono de uma colônia particular dizia que não se começava uma cidade pelo fim do território", relata a historiadora Miriam Giacomel, 26 anos. Depois de alguns dias no barracão, os imigrantes foram parar no ponto central da colônia situada aos fundos de Nova Palmira, mais tarde denominada de Colônia Caxias. Cerca de 10 anos depois, Luís Feijó Júnior, proprietário da colônia particular Sertorina, entre Bento Gonçalves e Caxias do Sul, achou um bom negócio começar a formar núcleos de imigrantes a partir da venda de parte das suas três léguas de terras.

Estava formada a Linha Nova Vicenza, onde em 1883 moravam 30 famílias. Com a conclusão da estrada de ferro entre Caxias a Montenegro, em 1910, a irmã mais nova conquista a estação do trem e concorre com o desenvolvimento de Nova Milano. Próximo à sede do município, Nova Vicenza assume a direção administrativa do então 3o distrito de Caxias, que desde o início estava nas mãos do núcleo mais antigo. Berço da colonização, Nova Milano não aceitou perder a posição para uma comunidade mais jovem. A pressão foi tanta que as autoridades resolvem agradar a gregos e troianos. Enquanto Nova Vicenza é promovida a 2o distrito do município em 1927, Nova Milano volta como 6o. Mas nada evitou o esvaziamento da periferia de Farroupilha. A estação do trem e a chegada da luz elétrica fizeram com que os moradores das duas comunidades mudassem suas casas para a parte alta de Nova Vícenza. O nascedouro da imigração italiana estava definhando.

A nossa Senhora dos Milagres

Quando se reuniram para rezar a primeira missa, em 1878, os imigrantes instalados numa pequena localidade do distrito de Vila Jansen decidiram escolher o nome do padroeiro ou da padroeira da comunidade. Não chegaram a um acordo. Algumas famílias queriam Santo Antônio, outras defendiam Nossa Senhora do Loreto. Para evitar confusão, os colonos resolveram ir até São Sebastião do Caí. A imagem que pudesse ser comprada lá seria a da padroeira. Voltaram de mãos vazias. Os italianos já estavam pensando em construir uma estátua, quando Natal Faoro disse que poderia emprestar um quadro que havia trazido da Itália.

A tela de 33 em por 40 continha a imagem de sua devoção. Só que não era a de Nossa Senhora do Loreto e muito menos a de Santo Antônio. Daquela dia em diante, Nossa Senhora do Caravaggio tornou-se a padroeira da colônia que recebeu seu nome. No ano de 1879, os moradores ergueram uma capela para a santa e começaram a realizar romarias em sua homenagem. Nesta mesma época, o quadro de Faoro deu lugar a uma estátua esculpida em cedro.Encomendada de um artesão de Caxias do Sul, a imagem foi carregada nas costas pelos colonos durante todo o trajeto até chegar ao vilarejo. Dez anos depois, a capela já estava pequena para abrigar os devotos que compareciam ao templo todo dia 26 de maio (data atribuída à aparição de Nossa Senhora na vila italiana de Caravaggio). Em 1890, os imigrantes inauguraram uma nova igreja. Até hoje, milhares de católicos visitam Farroupilha para deixar na igreja os ex-votos por graças e curas alcançadas.

Substituída por um grandioso santuário em 1968, a antiga capela está abarrotada de cabeças de cera, cruzes e placas de agradecimento. Nenhuma história é mais famosa entre os moradores da região do que a da mulher que teria sido possuída pelo demônio. Carregada por vários homens, a lavradora foi exorcizada dentro da igreja. A lenda conta que, quando o padre concluiu o exorcismo, o diabo saiu por uma janela lateral entortando as barras de ferro.

Os teimosos de Nova Milano

Quase todas as 110 famílias de italianos que chegaram a Farroupilha em maio de 1875 foram logo transferidas para povoar primeiro Campo dos Bugres (atual Caxias do Sul), a sede da colônia. Somente três amigos de Olmate, vila da cidade de Monza, não seguiram viagem com os companheiros de imigração. Stefano Crippa, Tommaso Radaelli e Luigi Sperafico ficaram. Comprando colônias de 24 hectares, cada um foi parar em uma localidade e prosperou de maneira diferente. Radaelli ficou plantando em Nova Milano, Crippa foi para a comunidade de Amizade e Sperafico instalou-se em São Miguel. Em 1884, Crippa construiu uma casa no atual centro de Nova Milano. "'Acho que seis anos depois ele montou a bodega na parte da frente", calcula Ardelino Bergamo, 81 anos, neto do imigrante. "A gente vendia desde tecido até querosene", conta o comerciante, que passou 50 anos atrás do balcão do armazém fundado pelo avô. Ao mesmo tempo em que Crippa crescia no comércio, Radaelli se destacava na agricultura. Tommaso começou plantando milho, arroz e feijão. Depois se transformou no maior produtor de uva da região, relembra o neto Thomaso Radaelli, 78 anos.

Origem: Material recolhido do fascículo especial do jornal Zero Hora, do dia 04/12/96, chamado "Origens do Rio Grande", tendo sido as reportagens efetuadas por:

James Marlon Görgen, Clarissa Eidelwein, Théo Rochefort, Klécio Santos, Marcos Fonseca, Luciane Ferreira, Mauro Maciel, Carlos Fonseca, Carlos Bindé, Marielise Ferreira, Itamar Pelizzaro; edição de Moisés Mendes e Mário Marcos de Souza; arte de Leandro Maciel, planejamento gráfico de Daniel Dias e Luiz Carlos Py; coordenação de Clóvis Heberle.

Editado por Roberto Cohen em 20/11/2003.