Objetivos


O Centro de Tradições Gaúchas Sinuelo do Pago, com o apoio da Prefeitura Municipal de Uruguaiana, Sindicato Rural de Uruguaiana, Governo do Estado do Rio Grande do Sul e da Ordem dos Músicos do Brasil, promove a XXX Califórnia da Canção Nativo do Rio Grande do Sul, com os seguintes objetivos básicos:

  • Oportunizar integração de poetas, músicos e musicistas, analistas, estudiosos e críticos, no interesse da preservação e divulgação da identidade cultural gaúcha;

  • propiciar reflexão e debates que depurem qualitativamente a arte em geral, considerada como o mundo de representatividade - expressividade - comunicabilidade do universo gaúcho;

  • elevar a expressão artística de temas e gêneros / ritmos regionais, buscando valorizar a música do Rio Grande do Sul, através de linguagem atual e criativa, considerando origens e constantes do gaúcho;

  • premiar e divulgar, regional e internacionalmente, as composições que melhor expressem os obietivos acima referidos;

  • valorizar artistas que representem caracteristicamente a linguagem e a cultura sul-riograndense.


A Califórnia no Século XXI

Outra vez a Califórnia da Canção Nativa do RS diz presente.

Com a mudança do século (e do milênio), que já registramos, a Califórnia também muda, mantendo-se, embora, a céu aberto; uma opção que já agrada a muitos.

Estamos fazendo duas experiências importantes: uma, a da mudança da data. Estávamos acostumados com a Califórnia em dezembro e parecia impossível realizá-la em outra data. Não o é. Março surge como uma bela possibilidade.

Outra a de sua localização e de sua franquia. Optamos por um parque central - o parcão! onde as pessoas podem assistir aos espetáculos sem pagar ingresso. Exceto os que preferirem as poucas reservas que forem feitas. Isso é indiscutivelmente uma novidade e há de ser uma forte motivação para pensarmos a respeito deste novo modelo por acreditar na grande afluência de um público amante de nossa arte musical.

De qualquer sorte, a Califórnia não foi interrompida. Trinta anos depois de sua criação, com todas as alternâncias já experimentadas, ela está viva, realmente muito viva, sem cessar suas atividades paralelas, enriquecidos neste 2001, com a feira do livro e do CD. É a própria história do festival que está sendo contada e cantada, porque não podemos permitir que se apague ou se perca o que foi feito com tanto interesse, dedicação e esforço por uma geração capitaneada por Colmar Duarte e Henrique Dias de Freitas Lima.

Aliás, Uruguaiana jamais conhecera promoção deste porte e nem o país conta com experiência musical semelhante, sustentada ao longo de três décadas.

Ao abrir-se o palco da Califórnia neste ano, estaremos abrindo mais uma expressiva página no livro de sua história, em especial se consideramos o que ela vai significar para a arte musical e para o mundo dos festivais no Estado e fora dele. Porque jamais podemos perder de vista o fato de que nosso festival projetou-se e projetou a cidade para muito além de suas fronteiras, de tal modo que nós, aqui, muito perto dela, não conseguimos avaliá-la como o fazem os que são de fora e os que vêm de longe.

Para todos a Califórnia é um marco e um símbolo e é preciso conservá-la viva.

Lourival Araújo Gonçalves - Março/2001

(material extraído do Livro de Poemas Oficial da XXX Califórnia da Canção Nativa)